rio adentro   2 comments

bridge-over-stormy-waters_edited-1.jpg

As águas sempre tiveram um encanto perigoso, iludindo quem passa num jogo de reflexos e transparências. E porque haveriam suas imagens ser menos verdadeiras, porque teria de ser seu fundo mais apaziguador? Tranquilas à superfície, nada dizem da agitação que as move. Ou dizem muito… se calhar, dizem mesmo tudo. Talvez só o digam a quem nelas se afundar…

bush-river.jpg

Quem siga por estas vias entra num mosaico de luz e sombra, mas só se perdem aqueles que não aprenderem a evitar a luz do sol, só se encontram os que desaparecem na penumbra. Aqui, os pássaros cantam para afastar intrusos ou soltam avisos agudos e urgentes, como quem grita Vem gente! De dia, como de noite, o silêncio é santo e senha para aqueles que querem entrar neste mundo

boatman1.jpg

Mais raros e elusivos são aqueles que ainda conhecem os antigos leitos fluviais: ocultos do olhar alheio, manobram, silenciosa e discretamente, a barcaça que os leva. Sem ruído e sem pressa, como convém a quem segue o sável, cobiça a lampreia e aguarda pela enguia. E por temor aos encantos de mouras e marinhas.

castle-upon-river.jpg

À noite é que mais se agitam os trilhos que vão dar às águas. Em ambos sentidos, como muito caçador aprendeu às próprias custas. Ao sol, os penedos grandes que atraem o olhar de quem passa são grandes penedos. Nas noites de luar, revelam-se naquilo que são: castelos esquecidos da memória dos Homens, palácios encantados onde se acoita a Serpe.

 

early-morning-meadows.jpg

Com a madrugada coberta pela geada, reforça-se o silêncio. Mesmo quando o sol nasce e os pássaros vigilantes dão uma nota alegre. Ou não cantasse o rio este estribilho: nada do que é, será/ ninguém, nestas águas, duas vezes banho tomará.

in-the-river.jpg

Os Homens não se dão bem com o mundo selvagem e incerto: contra a força da corrente impuseram seu ritmo, contra luas e marés ultrapassaram limites, contra ventos e baixios abriram rotas e canais. Com pequenas embarcações de madeira, movidas a remo ou à vela ou monstros de ferro e aço puxados a cavalos-vapor.

old-harbour.jpg

Alterando a fisionomia dos rios, indiferentes à vida que estes abrigam. Mas, tantas vezes, encalhados por excesso de calado, assoreadas as saídas para o mar a ponto de as fechar, na ânsia de domesticar as águas e pô-las a seu serviço. Os espíritos do Tempo e das Águas fazem o resto, cobrindo de ferrugem e limo naves envelhecidas,

velho-estaleiro.jpg

velando numa aura romântica as indústrias quase extintas, numa demonstração de que os encantos reaparecem onde menos se espera, esquecidos foram seus nomes. Mais do que um caçador de borboletas, de sonhos ou de lendas, se deixou enfeitiçar por esses horrores mutilados, traídos e abandonados.

barco-novo-mundo.jpg

Haja vagar, arte e engenho, e gosto pela aventura, um novo mundo sempre nos aguarda mais além.

sucata.jpg

As margens, despidas de vegetação e utilizadas sem pudor, são abandonadas juntamente com monstros de latão e escória que foram arautos de progresso e tiveram sua época de glória. Praga renitente que sempre reaparece, renovada e daninha para gáudio dos sucateiros, essas aves necrófagas da paisagem actual.

cidade-a-beira-rio.jpg

Destruídas raízes, nascentes e ilimitados horizontes, o que fica?

 

wide-river.jpg

Amodorrados pelas barragens, os rios continuam a ser vias para uma (re-) descoberta, em direcção a tantos horizontes quantos os olhos abarquem. É bem verdade que há turbulência no mais tranquilo dos rios.

old-town-by-the-river.jpg

As águas perdem transparência e profundidade se perdida a paixão no olhar que as percorre. Como se a alternativa fosse o tempo em que a mudança progredia ao ritmo duma carroça puxada por burro velho, tempo de riqueza tão escassa que, por isso, era reservada para alguns poucos.

galeao.jpg

Sem paixão não há canto de sereia que arraste os Homens para o mar aberto. Nem barqueiro que nos leve para outra margem.

Posted Março 31, 2008 by pepe in imago mundi

Tagged with , , , , , ,

2 responses to “rio adentro

Subscribe to comments with RSS.

  1. Ainda que não haja barqueiro, é sempre à outra mergem que queremos chegar!
    E metemos pés à água, e esbracejamos, e sentimo-nos aflitos e, às vezes, chegamos lá.

  2. Peter,

    Como primeira fotografia de “rio adentro” colocaste uma ponte (curiosamente em Ponte da Barca”. Tenho um sentimento especial sempre que vejo uma ponte; pelo que ela permite: liberdade; conhecimento; união; novas oportunidades e portanto novas emoções.
    Gosto de pensar em pontes e ver pontes tanto no sentido realmente fisico do termo como em sentido figurado. Desde que descobri o teu Blog, ele tem sido (tu, aliás) uma ponte que eu quero e preciso de percorrer, porque me traz sempre novos horizontes. E tal como na fotogrtafia conhecemos um dos lados da ponte mas não vemos o outro lado, a outra margem. Esta será sempre uma descoberta, basta deixarmo-nos levar pelas emoções para que seja diferente em cada passagem nossa; distinta para todo aquele que escolha percorrê-la.
    O outro lado é uma incerteza, que valerá sempre a pena conhecer e esperar, com tempo, que nos seja revelada para abarcarmos o seu significado e ensinamento, deixando que nos apazigue ao entrarmos na sua sintonia.
    “A outra margem” é para mim tal como para ti (como julgo ter percebido) essencial à tua natureza. É uma forma de estar e de sentir. No minimo estar noutro sitio distinto ao que não nos agrada, mesmo, estar. Essencialmente, estar na outra margem, é ver diferente, é sentir diferente, é “Arranhar a Superficie até Sangrarem os Dedos”, é ser paixão em cada poro para que os sentidos captem o máximo possível.

    Por favor, continua a escrever.

    Adelaide Pereira

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: